domingo, 24 de outubro de 2010

"O QUE EU ADORO EM VOCÊ MEU PIETRO"



O que devo dizer dessa criatura que me conquistou desde pequenino, do meu melhor amigo, desse meu bichinho de estimação, o meu doce Pietro que chegou à minha casa para ficar uma semana, mas só num olhar nasceu um amor à primeira vista que fez ele ficar para sempre. Foi a chegada de mais um filho em minha vida, um companheiro de todas as horas que não importa onde esteja ele está lá do meu lado.
Adoro lembrar-me de quando ainda bebê fazia charme para dormir coladinho no meu peito. Por mais que deixasse a sua caminha quentinha o que ele gostava mesmo era vir para minha cama.
Adoro lembrar-me do seu olhar todo dengoso implorando perdão, pois havia feito algo errado.
Adoro sentar no sofá e ficar fazendo cafuné no seu pescoço, no seu peitinho e olhar para ele quase dormindo e suspirando de tanto que gosta. Quando vejo que ele já está dormindo, levanto devagarzinho e é só ameaçar levantar que ele já abriu os olhos e ficou em posição de sentido para me seguir para onde for. Quando estou no banheiro ele faz plantão na porta. Como posso não amar esse meu Pietro.
Adoro esse meu amigo de todas as horas que me compreende, que me consola quando estou triste, que toma conta de mim quando estou doente.
Adoro quando vamos caminhar juntos no calçadão e de como fica lindo e elegante andando no mesmo ritmo ao meu lado. Toda mundo que passa olha, faz um elogio e eu aqui fico toda boba como uma mãe coruja.
Adoro quando vou buscá-lo no Pet Shop e o vejo com seu pelo todo escovado, aparado, cheiroso e mais ainda de ver a sua alegria quando chego. Eu amo demais essa criaturinha de Deus, que amor tão forte, tão verdadeiro.
Adoro quando chego à casa do trabalho e ele já está com o focinho grudado na porta esperando eu abrir.
Adoro quando ele fica do meu lado no computador e parece até que entende tudo que está na telinha.
Adoro quando estou estudando e acaba adormecendo em cima dos meus pés. Como é gosto sentir esse carinho, esse amor.
Adoro tudo no meu Pietro e ele faz parte da minha vida. É um sentimento de valor único e insubstituível. Pietro conquistou seu valor e me fez uma pessoa capaz de amar e ver que o mundo fica mais belo quando refletido nesse amor.

RSantos


30a. Edição Opinativa
Projeto Bloínquês


Imagens Retiradas da Net

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

"UM AMOR NÃO CORRESPONDIDO"


Tudo aconteceu muito rápido, um beijo roubado que ainda sentia em seus lábios, até as palavras de desejo e amor sussurradas ao seu ouvido. Sabia que era comprometido e sentia medo, faltava coragem para aceitar aquela situação.

Naquele dia ensolarado os seus olhos cegaram e foi envolvida por aquelas palavras ardentes que saiam daqueles lábios sedentos de desejo que fizeram seu corpo explodir de paixão. Já sem forças para lutar contra esse sentimento que dilacerava suas entranhas, esqueceu tudo e deixou-se levar por suas emoções e saborear cada pedacinho daquele momento.

O tempo passou e ficou na memória a lembrança daquela noite, daqueles beijos, do seu olhar, do seu cheiro, dos seus cabelos, da sua pele, do calor do seu corpo. Viveu um momento único de um grande amor que deixou raízes que só agora tomara conhecimento.

Estava grávida e essa notícia a deixara feliz e abalada. Precisava sair de casa, respirar ar puro, colocar os pensamentos em ordem. Pegou o carro e saiu sem destino. Abriu os vidros e deixou o vento entrar refrescando o seu rosto, embaralhando os seus cabelos. Deixou o tempo passar e quando se deu conta já era noite e acabara de chegar à praia, parou o carro, ligou os faróis e saiu para admirar a lua, ver o mar calmo com as ondas batendo suavemente nas pedras e sentir aquele cheirinho de maresia que tanto lhe fazia bem.

Sua felicidade era sufocada pela insegurança e medo que sentia por ter que assumir tudo sozinha. Sabia que esse filho não tinha sido planejado, mas estava ali e não podia evitar os seus sentimentos.

Tinha a certeza de que ela não se preocupou para que isso não viesse a acontecer, mas independente de qualquer coisa tinha a obrigação, principalmente por aquele ser que estava em seu ventre, de pelo menos comunicar ao pai.

Como poderia chegar até ele sem que todos percebessem? Trabalhavam na mesma empresa e desde aquele dia nunca mais ele sequer tentou olhar para ela.
Preparou uma carta explicando o que estava acontecendo e pedindo que se encontrassem para combinarem o que fosse melhor para os dois.
Aproveitou que se encontraram no elevador e entregou o envelope em suas mãos olhando firme em seus olhos e sem dizer uma só palavra.

Passaram-se alguns dias e quando estava chegando a casa teve a surpresa de ver entre as correspondências uma carta para ela sem remetente.
Cheia de curiosidade abriu rapidamente e devorou palavra por palavra, linha por linha e a cada fôlego seus olhos ficavam arregalados e seus lábios pálidos.
Havia algo escrito ali, simples, claro e desconhecido. Só três frases. Ela as leu e sentiu o mundo balançar.
Três frases simples, duras e cruéis que partiram seu coração em pedaços que soavam repetidamente em seus pensamentos.
- Não podemos assumir este filho e diga quanto precisa que eu te mande para dar um fim neste assunto.
- O que aconteceu foi uma coisa de momento e você sabia disso e devia ter se protegido e evitado que isso acontecesse.
- Estou sendo transferido para a filial do Canadá e a minha viagem já está marcada para o mês que vem e preciso que me respondas o mais rápido possível.
Foram três facadas em seu peito, mas respirou fundo e procurou se controlar. Existia uma criatura que seu coração batia docemente dentro dela e foi isso que deu forças para aceitar a realidade dos acontecimentos.
Tinha a certeza de seu amor por ele, mas era um amor não correspondido e impossível porque ele já pertencia à outra pessoa. Pensava tristemente que "Se um homem quer você, nada pode mantê-lo afastado. Se não, nada pode fazer ele ficar" e foi isso que aconteceu.


RSantos

39a, Edição Visual
Projetop Bloínquês
Imagem retiradas da NET

domingo, 17 de outubro de 2010

"A RAZÃO CONTRA A EMOÇÃO"



A vida nos leva a sofrimentos inevitáveis como as derrotas que deixam pelo caminho sementes que nos levam, na maioria das vezes,  a conquistar vitórias que nos fortificam física e mentalmente.

Aprendemos passo a passo a grande lição que vida se encarrega de nos fornecer. Tudo que conquistamos só pode ser nosso se existir dentro de cada um de nós, se refletir dentro de nossa própria alma. A vida se encarrega de nos mostrar as oportunidades nos tornando aptos para a vida neste mundo.


Nesta vida temos que aprender a viver, aprender a conviver neste mundo para poder sobreviver. Temos que procurar usar a Razão entendendo e aceitando as pessoas do jeito que elas são mesmo que nossas idéias sejam diferentes. O fato de gostarmos de alguém não obriga que tenha que ser igual a minha maneira de ser e pensar.

Amar é aceitar as pessoas do jeito que são com seus erros e  qualidades.  Para um bom relacionamento é importante entender a pessoa amada e respeitar a sua individualidade e aceitá-la como é.

E os nossos amigos? Quem são eles? Aonde se encontram? Aonde guardamos os nossos sentimentos, as nossas emoções ?
O fato questionarmos tanto é porque a vida, dia a dia, nos mostra uma coisa nova, um caminho novo - é o eterno aprendizado não importando se somos crianças, jovens ou  adultos.

"O que realmente importa nessa vida é a família, os verdadeiros amigos, o amor, a realização como ser humano e profissional e a paz interior."
RAZÃO  E  EMOÇÃO


A Razão e a Emoção
eram duas amigas inseparáveis.

Tinham as suas divergências,
porque a Razão sempre achava
que sabia tudo,
embora a Emoção muitas vezes
superasse a Razão,
em todas as suas argumentações.

Viviam as duas num mesmo coração,
nem sempre com a mesma convicção.

A Emoção era muito sensível.

Bastava alguém falar macio,
pedir baixinho,
contar algum acontecimento triste
e lá vinha a Emoção crescendo
dentro do coração,
até sufocar a Razão,
naquele espaço tão pequeno,
onde as duas conviviam,
sempre que podiam.

Quando a Razão percebia
que a Emoção se envolvia
em algum assunto do Coração,
chamava a sua atenção,
mas nem sempre era ouvida
e tão absorvida ficava
em suas emoções,
que não ouvia os argumentos
da Razão.

Quando percebia que havia agido
por impulsos,
seduzida pela Paixão,
ficava decepcionada com o Coração
e o culpava por toda a sua
agitação.

Prometia a si mesma,
nunca mais cometer os mesmos erros
e ouvir a voz da Razão.

O problema é que a Razão
nem sempre tinha razão.

Então a Emoção se sentia perdida
e acabava culpando o Coração,
por colocar a emoção
sempre acima da Razão...

(Débora Benvenuti)


RSantos

2a. Edição - ARazão contra a Emoção


Imagens retiradas da NET

sábado, 16 de outubro de 2010

"Eu sou uma garota All Star"


Tremendo sábado é lá estava eu tendo que ir para o meu curso de inglês. Já estava quase desistindo de continuar com o Inglês aos sábados, mas como estava trabalhando no Shopping no turno da noite e estudando de manhã só me restava o sábado para tentar terminar o inglês.

Depois do curso tinha que passar na Secretaria para pagar a mensalidade e lá fui eu com certa pressa, pois ainda tinha que trabalhar.  Minha vida era essa correria e gostava de viver nessa adrenalina.

Cheguei lá a secretária estava atendendo a um garoto muito gatinho que vestia uma camiseta preta , calça jeans e havainas. Ele olhou para mim me deu um sorriso que até gostei e apesar de não ter nem falado com ele fiquei um pouco que fascinada. Tentei saber o seu nome tentando olhar para o papel de inscrição, mas não consegui. Foi uma pena ter sido só esse simples sorriso, mas quem sabe poderia vir a encontrá-lo novamente.

Antes de sair ele ainda me olhou por inteiro e aquilo mexeu comigo mais ainda. Eu era meio que exagerada na forma de me vestir. Gostava do meu estilo jovem e o meu tênis All Star era peça constante. Minha mãe me chamava sempre da "Garota All Star" e  falava isso para todas as suas amigas, desde que me  pegou dormindo na banheira com os meus All Star nos pés. Virou assunto do dia, da semana, do mês e só Deus sabe até quando vai continuar falando.

Paguei a mensalidade e fui andando para casa a fim de comer alguma coisa antes de ir para o Shopping. Quando estou abrindo a portaria do prédio passa um garotinho, que não era muito bonito, mas não era de se jogar fora, me olhava sem disfarçar, passou por mim, e olhou para traz só para continuar a olhar!

Estava percebendo que meu visual estava agradando e que o meu estilo All Star me dava muita sorte e principalmente no amor!!!
Tinha mesmo que concordar com minha mãe quando me chamava de "Garota All Star" porque eu já estava me sentindo a própria.
RSantos

"Se tem uma coisa que não largo do pé, é meu All Star, não... Ele não tem chulé e não tomo banho com ele.. (credo), mas é a minha principal característica.. hehe!"


38a. Edição Visual
Projeto Bloínquês

Imagens retiradas da NET
Pesquisa em sites All Star

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

"Apesar de tudo ainda sou brasileiro"

O que posso dizer hoje diante dessa campanha eleitoral que fere os princípios básicos da ética e da moral.
Sou uma cidadã que viveu o racionamento da década de 50 quando ainda criança tinha que madrugar para ir para a fila do leite , da carne sem ainda ter muita noção do porque ter que sair de noite para comprar comida.
Sou uma cidadã que viveu na época da Ditadura Militar,  que se sentiu lesada no governo Collor onde seu salário foi retirado de sua conta só deixando cinquentinha que mal dava para pagar o aluguel.
Sou sim uma cidadã que paga rigorosamente todos os impostos, que sou aposentada pelo INSS após trinta anos de trabalho e contribuição à Previdência Social, recebendo um salário que mal paga os gastos básicos de uma família de classe média. Uma aposentada que tem que continuar trabalhando para manter um padrão de vida melhor, para poder pagar um plano de saúde e não depender de um SUS.
Posso dizer que sou uma cidadã feliz, pois ainda tenho saúde para continuar a minha luta, mas quantos não tem essa condição e dependem dos serviços sociais que o governo oferece.
Então vocês me perguntam o que achei  sobre o a eleição do Tiririca para Deputado Federal por 1.353.820 pessoas.
O que achei disso? Acha que nós, povo brasileiro, estamos indo no 'caminho certo' ou acho que ele e outros candidatos, não fazem tanta diferença assim?

Indignação claro que sinto, mas infelizmente aceitaram a candidatura do Tiririca sabendo que não era qualificado e talvez para que todos reagíssemos dessa forma. Será que não seria pior a recandidatura de políticos corruptos que encheram os cofres no exterior as custas do nosso dinheiro?

Continuo na esperança de que o Brasil consiga encontrar o caminho certo e que haja conscientização de todos para que possamos ter um futuro melhor para nossos filhos e netos.

Procurando uma imagem na Internet encontrei este poema postado AQUI e me fez tão bem a alma que não pude deixar de compartilhar com vocês.

 

SINTO VERGONHA DE MIM

Sinto vergonha de mim…
por ter sido educador de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
enveredar pelo caminho da desonra.
Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez
no julgamento da verdade,
a negligência com a família,
célula-mater da sociedade,
a demasiada preocupação
com o “eu” feliz a qualquer custo,
buscando a tal “felicidade”
em caminhos eivados de desrespeito
para com o seu próximo.
Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido,
a tantos “floreios” para justificar
atos criminosos,
a tanta relutância
em esquecer a antiga posição
de sempre “contestar”,
voltar atrás
e mudar o futuro.
Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos
que não quero percorrer…
Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.
Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro !
(Autoria real desconhecida)

RSantos

29a. Edição Opinativa

Imagens retiradas da NET

"SEM DESPEDIDAS"


Coloquei um ponto final neste sonho que se perdeu pelos caminhos da vida. Eu vou embora sem despedidas, deixando para trás todas as tristezas e mágoas que este amor me fez viver durante os anos que estivemos juntos.
Quantas vezes sabia que ele me traia atingindo em cheio o meu coração, mas sofria calada com medo de perder o seu amor, de não mais o ver. Fingia que dormia quando, quase como uma pluma, ele deitava ao meu lado exalando ainda o cheiro da noite de pecado.
Fui companheira, amiga, mulher que sempre esteve presente reparando os seus erros, escutando seus desabafos, cuidando quando estava doente, aturando as suas ressacas e nunca recebi o devido valor por isso. Agora cansei, o tempo se encarregou de acabar com este sentimento que havia em meu coração e quero seguir para uma nova vida longe daqui. Quero seguir sozinha e descobrir coisas novas, sentir vontade de viver, sentir ser amada novamente e começar a olhar para mim procurando recuperar esse tempo que perdi.
Com as mãos trêmulas e meu coração disparando arrumei a minha mala e com a certeza absoluta da decisão que havia tomado e sairia dessa casa sem olhar para trás uma só vez, seguindo em frente para viver um novo presente e passando a borracha neste triste passado.
Pensei em avisá-lo, mas achei melhor que ele mesmo descobrisse. Espero que possa ter tempo para refletir em tudo o que fez e olhar para dentro de si mesmo e ver o quanto é vazio, o quanto é um fracassado. O que hoje sinto é vergonha de ter agüentado calada tanto tempo sem reagir.
RSantos


36a. Edição Conto/História

Imagens retiradas NET


sexta-feira, 8 de outubro de 2010

"TOC"


TOC –Transtorno Obsessivo- Compulsivo é um dos distúrbios psíquicos mais comuns no planeta. O que observamos no nosso dia a dia, no nossos colegas, amigos, familiares e até em nós mesmos são manias esquisitas e que podem ser inofensivas, mas pesquisando no site “Bem de Saúde” eles informam que essas manias podem chegar a comprometer o desempenho profissional, escolar e os próprios relacionamentos pessoais. Passa a ser um caso a ter necessidade de ajuda especializada. As manias podem se transformar nas chamadas obsessões que diferenciam dos hábitos do TOC. Esses hábitos deixam a pessoa com desconforto, ansiedade e escrava desses comportamentos repetitivos.

Respondendo a pergunta: Você tem algum TOC?
Acredito que tenha mais manias do que propriamente um TOC. Segundo o psiquiatra da Unesp, Edson de Moraes Júnior, as manias são comportamentos repetitivos que são motivados por superstição ou crenças.
Todos nós temos Manias e isso não gera nenhum efeito em nossas vidas.
Falando em superstição eu sou uma que não passo embaixo de escada, não uso roupa preta nas sextas feiras e isso é uma mania que tenho até hoje e não me faz mal algum, pois convivo naturalmente com isso e para mim já é um hábito do meu cotidiano.
Algumas manias que recentemente tenho são:
• Com esse tempo maluco não saio de casa sem ter dentro da bolsa o meu guarda chuva.
• Trabalhar num local onde o ar condicional é central é conviver com um frio de lascar independente da estação do ano.Depois de passar por uma série de resfriados, gripes, alergias, etc passei a incluir em meus pertences obrigatórios um casaco para me proteger quando necessário.

Para falar sobre TOC , se tenho ou conheço alguém que sofra disso, como lidar com essa situação, qual a minha opinião sobre isso, se é uma doença que precisa ser tratada vou repetir uma pesquisa feita anteriormente para uma edição opinativa de obsessão.
Fernando Aureliano convive com a doença do "TOC" há alguns anos e é um estudioso do assunto.
Segundo ele,  ainda hoje, a ciência moderna não conseguiu explicar a natureza deste distúrbio, mas já se sabe muitas coisas importantes sobre essa doença que transforma as pessoas em reféns de sua própria consciência.
A medida que a ciência avança em suas pesquisas, fica cada vez mais evidente os fatores biológicos que cooperam para o desenvolvimento desta doença. É muito comum o “Transtorno Obsessivo Compulsivo” (TOC) ocorrer após traumatismos, lesões ou infecções cerebrais. A hiperatividade tende a se normalizar com o tratamento farmacológico bem como com a terapia cognitivo-comportamental.


Fatores de natureza psicológica também influenciam no surgimento, manutenção e agravamento da doença. É possível que o distúrbio surja após algum stress psicológico. Estes conflitos podem agravar os sintomas e podem também alterar a forma de pensar dos pacientes. O TOC pode mudar a forma de perceber e avaliar a realidade, pode fazer com que super valorizemos nossos próprios pensamentos e ações, nos fazendo acreditar que eles possam influenciar diretamente em eventos de escalas grandiosas. Podemos acreditar até mesmo que podemos salvar um planeta inteiro com um simples acender e apagar das luzes.

Algumas características da doença é nos fazer desenvolver rituais para que possamos manter o equilíbrio e a vida no planeta, ou simplesmente, que acreditamos colaborar para que nos faça manter nossa própria integridade. É comum rituais de repetição, preocupações absurdas com limpeza, perfeccionismo. Um portador desta doença acredita verdadeiramente que salva vidas todos os dias.
Os “pensamentos mágicos” podem acompanhar um paciente por dias inteiros, ou até mais. Cada paciente pode apresentar um ou mais destes sintomas, que até o momento são considerados incuráveis. Podem ser diminuídos e se tornarem até mesmo raros através de tratamentos e cirurgias, mas sempre estarão lá.
É importante entender que esse tipo de reação não é algo que surge na cabeça das pessoas com esse problema como algo que possa simplesmente ser ignorado. As ideias que guiam e geram comportamentos nas pessoas com o TOC são extremamente poderosas. E por mais que depois de muito tratamento psicológico os pacientes saibam que aquilo não é real, por mais que tenham completa consciência disso, é como se não tivessem opções. Como se houvesse um ser supremo e super poderoso em sua cabeça que lhe controlasse e lhe obrigasse a seguir com os rituais. Alguns destes rituais chegam a ser feitos, muitas vezes, sem que nós mesmos percebamos. É algo absolutamente incontrolável, como se estivéssemos drogados mesmo. Como se não tivéssemos mais nenhum controle que seja de nosso corpo. Comportamentos “evitativos” também são comuns como forma de não desencadearem essas obsessões.

Tenho absoluta certeza de que não vou conseguir explanar todos os problemas relacionados ao TOC, como não sou a pessoa certa para entrar em detalhes mais profundos.

Existem várias produções interessantes do cinema e da TV que falam sobre o assunto (apesar de um pouco exageradamente, ou não!), como por exemplo os filmes: “Melhor é impossível“, “O Aviador” e o seriado “Monk“. "



Rene Santos

28a. Edição Opinativa  - T O C
Projeto Bloínquês




Imagens retiradas da Net
Vídeos you tube
Pesquisa e descritivos retirados dos sites

"Ele seria dela"


Ela o teria, mesmo que isso a matasse. Mesmo que matasse os dois, ele seria dela. Essas palavras foram desabafadas por Patrícia que andava angustiada por ter sido abandonada pelo homem de sua vida.

Chegando o entardecer ela olhou para o relógio, reparou que estava na hora do Marcelo chegar do trabalho, sem pensar duas vezes, dirigiu-se até a janela de seu apartamento, sentou-se no parapeito colocando os pés para fora e ficando numa posição de quem está prestes a cometer um suicídio.

Depois de um tempo parada nessa posição, olhando fixamente para o mesmo ponto, muitas pessoas que passavam na rua já se juntavam curiosas para saber o que iria acontecer. Quem era aquela jovem? O que estava pensando fazer? Será que iria se jogar daquela altura? Que loucura era aquela? E assim começou o famoso espetáculo que o povo se exaltava esperando o derradeiro final.

Marcelo era vizinho de Patrícia e mantiveram um relacionamento sem compromissos que durou alguns anos, mas ela estava loucamente apaixonada, mas percebia que ele não levava muito a sério esse romance. Ela era muito ciumenta o que motivava muitas brigas e a última delas foi terrível terminando por Marcelo se afastar dela definitivamente.

Patrícia inconformada, desesperada e imersa nessa mistura de sentimentos estava prestes a cometer uma loucura. Articulou esse plano de “forjar” uma tentativa de suicídio. Imaginava que assim que a visse na janela prestes a se jogar, conhecendo a forma de agir do Marcelo, sabia que ele viria correndo ao seu encontro.

Estava jogando pesado e sabia que caso não conseguisse reconquistá-lo, poderia fazer ele odiá-la para sempre. Para ela era tudo ou nada e estava ali preparada para viver ou matar e morrer de amor.

Rene Santos


37a. Edição Visual
35a. Edição Conto/História

Imagens retiradas da NET 

sábado, 2 de outubro de 2010

"O PECADO DE TODO DIA"


Falar de pecado é falar de sentimentos que fazemos nascer em nós todos os dias sem percebermos. Começamos o dia acordando lutando contra o despertador, contra o tempo e vamos enrolado na cama até estarmos no limite do limite do horário. Isso nada mais é do que o pecado da  preguiça  e ela vai se repetir algumas vezes no decorrer do dia - depois do almoço - em alguma aulas chatas - num trabalho a executar , etc.
Cometemos o pecado da Gula quando ficamos de olho num bom bife, ou num pão caprichado, uma sobremesa deliciosa e outros quitutes que nos dá água na boca
O pecado da raiva esse então surge em todos os momentos do dia e haja controle para não passar dos limites. Quem não fica com raiva tendo que enfrentar um trânsito na hora do ruch , quando andandopela frua pisamos num buraco,
A vaidade então essa ganha em disparada e não vamos rotular só para as mulheres porque os homens tem-se mostrando mais vaidosos últimamente.
A inveja esse pecado cometemos naturalmente quando olhamos para uma colega bem vestida e começamos a fotografar o visual para depois comprar não digo igual, mas similar.
Por último não podia deixar de citar a mentira, que praticamos a pedido do chefe quando não quer atender a determinada pessoa, uma mentira quando damos uma desculpa porque chegamos atrasado e mais outras mentirinhas quando contamos algumavantagem, inventamos uma história para agradar e assim vai seguindo o nosso dia.
O pecado é a culpa de nossa consciência, a culpa de nosso coração.

             
  
105a. Tema - O Pecado

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

"Tempos que não voltam mais"

Ana e Júlia eram amigas de infância, cresceram juntas morando no mesmo prédio. Tinham a mesma idade e adoravam ficar conversando, contando as paqueras na escola , combinando as idas para o cinema e tudo que essa galera gostar de papear. Adoravam dançar, ouvir música e quando havia uma festa ou um baile lá estavam todas arrumadas e curtindo cada momento

A turma do colégio estava programando um acampamento na região dos lagos onde havia um lugar próprio para que pudessem ficar. Os rapazes estavam organizando e fazendo uma lista de quem iria e como foi difícil convencer os nossos pais a nos deixarem ir, mas depois de muito insistir eles permitiram. Estávamos ansiosas nos preparativos e Ana mais ainda, pois o João, rapaz por quem estava apaixonada estaria no acampamento.

A Ana era alta e aparentava ter mais idade do que Júlia que era menor e franzina e também ela chamava mais atenção não somente pela sua beleza mas por ser mais falante, mais simpática enquanto Júlia era mais tímida, acanhada.

Chegou o dia do acampamento e seguiram todos de ônibus para o campo onde iriam acampar com suas barracas e redes. A viagem foi super divertida, cantaram ao som do violão, dançaram, brincaram sem parar um segundo.

Quando chegaram cada um foi montar suas barracas e redes. Preparam um churrasco e se fartaram de comer e beber. Júlia acabou ficando num grupo conversando e nem reparou que sua amiga Ana havia se afastado em companhia do João.

Quando Júlia foi procurá-la encontrou-os juntinhos numa rede, abraçadinhos, conversando, namorando. Ela ficou feliz pela amiga, mas não pode evitar de sentir um pouco de ciúmes por ter perdido a companhia de sua melhor amiga, pelo menos ali no acampamento.

Depois desse acampamento Ana e João começaram a namorar e a partir daí já não tinha mais tempo para conversar com a Júlia que no início, morria de ciúmes do rapaz, mas com o tempo foi aceitando e compartilhando cada momento de felicidade que a amiga estava vivendo.

Foi assim que Ana e João começaram a namorar e anos depois casaram, mas Ana nunca esquecera da amiga Júlia e de todos os momentos que passaram juntas. Lindos tempos que não voltam mais, mas que guardariam para sempre na lembrança essa linda história de amizade e de amor.

Rene Santos

36a. Edição Visual
Projeto Bloínques



6a Edição - Memórias
Projeto Entrelinhas
Imagens retiradas da NET

"A VIDA COM AMOR"


Olho tudo a volta e preciso agir
Antes que este silêncio acabe
Quando a minha princesa surgir
Pedindo brinquedos e chocolate.

Olho para o tempo que passou
Quando ainda de boneca brincava
E quase sempre chorava
Pelo brinquedo que quebrou.

Cedo comecei a brincar de amor
Sentindo o coração bater
Aprendendo a fazer amor
Conhecendo o que é sofrer.


Entre carinhos, beijos e abraços
Fizemos um bebê nascer
Linda princesa cheia de cachos
O nosso amor fez crescer.

Olho para mim ainda vestida
Com a roupa do trabalho
O amor não tem medida
E por ele vale o cansaço.


Aproveito o tempo precioso
Para tudo colocar no lugar
Preparando jantar gostoso
Para quando o amor chegar.


Agora posso descansar
E meu banho tomar
Para depois do jantar
Com meus amores deitar.

Rene Santos

6a. Edição Poemas
Projeto Bloínquês


Imagem retirada da Net