sábado, 28 de maio de 2011

" A GRANDE CHANCE"

Sarah era fotógrafa e redatora de uma revista de arte e cultura exercendo suas atividades sem grandes perspectivas. Vivia na comodidade da rotina de trabalhos sem muito a acrescentar a sua carreira. Cobria matérias sempre em sua cidade Natal e esperava um dia trabalhar em coberturas Internacionais viajando pelo mundo.

Curso de especialização era o que não lhe faltava e dominava plenamente o inglês e espanhol.

Há uma semana recebera a missão de visitar algumas cidades nos Estados Unidos fazendo uma matéria sobre as Lojas de Arte de um modo geral e o perfil de seus clientes.

Em qualquer ambiente uma obra de arte cai bem, seja ela uma natureza morta, uma paisagem, uma escultura ou um quadro abstrato. A arte não tem regra e se molda a cultura e ao gosto do consumidor. Foi dentro dessa linha que Sarah procurou evidências que mostrassem o seu valor e importância.

Era sua grande chance de mostrar um bom trabalho para conseguir a promoção tão esperada de atuar em matérias Internacionais.

Miami foi a primeira cidade que selecionou para iniciar o seu trabalho tendo em vista o seu crescimento no mundo das artes plásticas. Escolheu o Shopping Miami Design District para passar o dia fotografando e colhendo informações para a sua matéria.
Passou a manhã toda caminhando, fotografando e anotando tudo que via. Parou em frente a um bebedouro de água natural que lhe chamara atenção. Além de tirar algumas fotos aproveitou para matar sua sede bebendo aquela água fresquinha utilizando as mãos como assim faziam os primitivos. Em plena praça poderia se constatar uma peça de arte que era utilizada por todos que ali transitavam.

Pegara a máquina que havia deixado no parapeito da fonte e olhou rapidamente os cartazes de filmes em exposição na vitrine de uma Locadora. Entrou em uma nova rua onde havia um movimento maior e continuou com sua câmera sempre captando novas imagens e aproveitando a luz do dia.

O fotógrafo de uma revista precisa não só registrar o fato, mas captar a essência dos momentos. Foi assim que Sarah encerou a seção de fotos e foi até um café local e se acomodou em uma das mesas. Fez um breve lanche acompanhado de uma taça de vinho que ficou sobre a mesa. Pegou sua mochila retirando seu notebook e aproveitando o lugar agradável para baixar as fotos e digitar a matéria colhida com todas as suas observações. Como tinha um dia para pesquisar um ponto em cada cidade tinha que fechar cada edição no calor da emoção para não esquecer nenhum detalhe.

Assim que terminasse iria logo para o Hotel a fim de tomar um banho, descansar e ter uma boa noite de sono porque pela manhã, bem cedinho, estaria partindo para Nova York vislumbrando a estátua da Liberdade, mas seguindo em direção ao Times Square para passar o dia perdida no cruzamento da Broadway com a Sétima Avenida deixando a lente da Câmera captar as emoções da beleza, cultura e arte espalhadas nesta área.

Ainda iria visitar mais algumas cidades no intuito de ter material suficiente para concluir sua matéria que tinha o prazo de uma semana para entregar. Estava ali a trabalho e sabia que não teria tempo para curtir essa viagem, mas os frutos que colheria era a oportunidade profissional tão esperada para ter no futuro grandes alegrias.


               


RSantos

4a. Edição Profissão
Fotógrafo

17a. Edição Roteiro
imagem do projeto Bloínquês
de 01/04/2011

sexta-feira, 13 de maio de 2011

"Minha doce mamãe"


Minha mamãe não para o dia todo, anda, abaixa , levanta sempre fazendo um trabalho na casa. Vejo que vai para a cozinha , escuto barulho de água e ela lavando e fazendo comida.

Estou curiosa para saber porque ela tem que fazer isso tudo. Escuto-a conversando com minha irmãzinha que ainda não sabe falar e volta e meia cai no choro. Então pega ela no colo e parece que vai cair em cima de mim e, aqui dentro, o meu espaço fica pequeno. Minha irmãzinha está chorando e pisando em cima da mamãe e parece que não vai parar de chorar , mas de repente fica um silêncio...

Fico muito contente quando está esse silêncio e minha mamãe começa a cantar: “Nana, nenê, do meu coração...” e aí fico quietinha e descanso um pouquinho também.

Não passa muito tempo a mamãe começa de novo a caminhar para tudo quanto é lado que fico até meio tonta... Escuto barulho e ela arrumando a mesa e logo o papai vai chegar.

Escuto a voz dele, está chegando! Eles estão conversando, mas depois de um tempo começam a falar mais alto e aí começo a escutar uma música e as vozes deles vão sumindo.

Minha mamãe fica muito cansada de trabalhar tanto que quando vai dormir ela respira bem fundo, faz uma oração e aí pronto já não escuto mais nada, acho que ela já dormiu e eu também faço o mesmo.

No meio do sono começo a pensar de que como será quando eu sair daqui. Será que vou poder ajudar a mamãe a trabalhar menos? Será que papai vai ficar mais calmo e vai conseguir um bom trabalho para melhorar a nossa vida ? E a minha irmãzinha será que vai chorar menos e ser minha amiga?

Claro que nada disso importa porque o que quero logo é sair daqui e poder ficar no colo da mamãe, a ouvir contando histórias para mim, cantando para eu dormir. Quero sair daqui e ir trabalhar com o papai . Quero sair daqui e poder brincar com minha irmã.
Quero nascer e viver a vida lá fora e sentir de perto a minha mamãe e saber amar também.

Quero que, quando eu nascer, que o céu esteja cheio de estrelas , que venha o meu anjo da guarda para tomar conta de mim e de você mamãe a quem desejo muita felicidade.

Quero que o arco íris ilumine nossos caminhos e que todos possam vir conhecer a minha doce mamãe.

Como vai ser maravilhoso aprender com ela a caminhar pela vida e poder chamá-la de “ mamãe”.

Minha querida mãezinha , obrigado por ter me dado a vida, guiado os meus passos e me feito tão feliz. “Eu te amo e te amarei eternamente".

RSantos

"Mãe você é a razão por eu existir "

59ª Edição Opinativa
Bloínquês


Postagem de maio 2010
Blogueando 29a. Edição
2º Lugar
(Imagem retirada da NET)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

" UM MOMENTO A DOIS"


Tem dias em nossas vidas que parece que o mundo vai desabar e aquele dia para Francine estava sendo assim. Seu coração disparava tamanha era à ansiedade de conversar com o Rick, dividir com ele esse momento que misturava sentimentos de alegria e de medo ao mesmo tempo.

Francine e Rick se conheceram na Faculdade, se apaixonaram e decidiram morar juntos. O tempo foi passando e essa união já tinha três anos compartilhados com muito amor e companheirismo. A vida não era fácil para os dois que tinham que trabalhar e estudar para poderem pagar as contas e sobreviverem.

Faziam planos para o futuro, estavam no início de suas carreiras e se dedicavam ao máximo para conquistarem seu lugar ao sol.

Queriam muito construir uma família, terem a sua casinha com uma linda vista e uma varanda para ao final do dia sentarem juntinhos jogando conversa fora, contando como passaram o dia, trocando juras de amor e abraçadinhos esperariam a note chegar que os embalaria para uma linda noite de amor.

Francine marcara de se encontrar com o Rick na ponte que ficava a poucos metros de casa para seguirem juntos caminhando sobre as camadas finas de neve e brincando como duas crianças de contar as pegadas que faziam por onde pisavam. Chegara primeiro e enquanto esperava seus pensamentos disparavam procurando as palavras para contar o que tinha acontecido que poderia mudar suas vidas. Estava aflita, pois sabia que independente do que o seu coração quisesse o mais importante para ela era a opinião de Rick. O seu amor por ele era tão grande que qualquer dor seria suportável e o tempo ajudaria a cicatrizar.

Estava entregue aos seus pensamentos quando vê Rick chegando e mesmo sorrindo seu coração estremece, suas pernas ficam trêmulas, mas respira fundo para não dar a perceber sua ansiedade.

Rick chega todo feliz e animado e corre para abraçá-la e beijá-la dizendo:
- Minha deusa como você está cheirosa, tão linda, disse abraçando-a, acariciando seu pescoço enchendo de beijinhos.
Francine se entregou as suas carícias e seu coração disparava de tanto amor e felicidade que sentia. Aproveitou esse momento e com a voz um pouco arranhada disse:
- Rick eu preciso muito te contar o que está acontecendo comigo. Queria que você soubesse que o amo muito e o que você decidir será feito.
Rick se afastou um pouco, segurando carinhosamente seu rosto com as mãos, encostando sua testa na dela e falou:
- Conte- me tudo que estou aqui para ouvir e ajudar no que for preciso.
Francine engoliu em seco, molhou os lábios e então disse:
- Rick hoje fui pegar os meus exames e recebi a notícia de que estou grávida. Confesso que estou muito feliz com essa notícia, mas ela só será completa com a sua felicidade também. Estamos passando um momento difícil em nossas vidas, e tudo é contado aqui em casa e esse filho vem numa hora que teremos que abrir mão de muita coisa. O que você me diz meu amor? Chegastes tão alegre e eu aqui estou te dando essa notícia que talvez em outra época estivéssemos pulando de alegria.

Rick foi ouvindo o que Francine falava, palavra por palavra, olhando cada expressão de olhar, seus lábios se mexendo, mas na verdade era uma notícia que o havia deixado mudo. Francine chegou perto dele e perguntou o que ele tinha para dizer. Como num despertar olhou para ela e disse emocionado:
- Amor da minha vida você não sabe que notícia maravilhosa você acaba de me dar, você vai me dar um filho o que mais quero nesta vida? Sou a pessoa mais feliz do mundo e ainda mais que acabei de receber uma promoção no trabalho e agora sou o Gerente da área de Engenharia.

Francine emocionada e com os olhos cheios de lágrimas não teve tempo de dizer uma palavra porque Rick a encheu de beijos o que para ela era só alegria e felicidade.

Seguiram abraçadinhos sentindo o calor de seus corpos e um coraçãozinho batendo que era o fruto desse amor.


RSantos


22a. Edição Roteiro
Pauta Bloínquês
Imagem projeto
ism