sábado, 29 de janeiro de 2011

" A carta da Cinderela"


Meu querido príncipe,

Como foram maravilhosas essas três noites que tive a alegria de estar presente nos bailes em seu castelo.

Gostaria que soubesse que me senti a mulher mais feliz do mundo por ter tido o privilégio de ser escolhida para ser seu par nesses dias.

O tempo todo em que estive em seus braços dançando naquele deslumbrante salão sentindo o seu olhar  fez desabrochar o amor em meu coração pela primeira vez em minha vida. O calor de suas mãos me tocando e me abraçando a noite inteira me levou a sentir dançando nas nuvens.

Sei que perdi os meus sapatos quando corria antes das doze badaladas e queria te confessar o motivo dessa minha fuga. Tudo o que admiraste em mim não era real, estava produzida unicamente para te encantar e também para que eu pudesse me libertar da minha madrasta e suas filhas.

Fiquei sabendo que mandastes para experimentar os meus sapatos em todas as jovens da cidade, mas com certeza em alguma servirá, mas se pensas que estarei lá esperando para ser a escolhida é melhor tirar essa esperança do seu coração porque já estarei bem longe.

Quero ser uma Cinderela que venha a conhecer novos lugares, que possa aprender coisas novas e estar preparada para fazer as suas próprias escolhas. Não quero ser uma Cinderela que só porque conheceu alguém e sentiu o que é o amor esqueça tudo e me case para viver uma vida dentro de um castelo.

Sonho em ser uma mulher independente  com seus  valores e princípios, mas ser uma Princesa não está naquilo que pretendo para minha vida.

Quero ser uma pessoa simples vivendo feliz em algum lugar e podendo ajudar ao próximo e viver uma vida com dignidade conquistada com meu suor e trabalho.

Com todo o meu amor e admiração

A Cinderela

RSantos
7a. Edição Decodificando Cartas
Tema: Fuga
Mensagem secreta - Um dia posso voltar a te encontrar e  poderá ser diferente
2a. Edição Alternativa


Tema:sátira(ou paródia) sobre um conto de fadas
Imagem meme

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

" As irmãs Poderosas "


Todos os anos as irmãs Lúcia, Maria Inês e Natália viajavam juntas deixando seus maridos em casa.


Tudo começou quando Lúcia ganhou um par de viagens para Buenos Aires e o período em que era o seu marido não podia se ausentar do trabalho.

Desabafando com as irmãs eis que Natália deu a sugestão delas viajarem juntas. Elas trabalhavam fora, mas conseguiram uma semana de licença a ser descontada nas férias. Compraram mais uma passagem, acertaram a hospedagem e lá foram “as poderosas” , como assim intitularam, em sua primeira viagem.

Foi maravilhoso estarem juntas, revivendo os momentos da adolescência, de suas bagunças, seus namoros, suas brigas e foi tão bom que passaram a programar sempre suas viagens.

Quando chegavam de uma viagem já começavam a pensar em qual lugar iriam à próxima. Este ano as poderosas escolheram ir para um Hotel Resort em Porto Seguro que ficava em Salvador.

Passavam o dia na piscina, curtindo a Praia e também as atividades do Clube. Um dia depois do descanso da tarde elas resolveram assistir um dos filmes que tinha disponível para os hóspedes. Maria Inês foi escolher um filme, Lúcia foi fazer pipoca e Natália ficou só na preguiça aguardando tudo ficar pronto. Era a caçula e continuava a mesma sempre mimada e paparicada.

O filme escolhido foi “O Conde de Monte Cristo. Acomodadas no sofá a frente da TV começaram a assistir o filme e volta e meia Maria Inês fazia seus comentários. Lúcia assistia atenta e não parava de comer pipoca oferecendo também a Natália que não tirava os olhos da tela abraçada a uma almofada.

Quando chegou à cena da fuga de Edmond Dantes do Castelo a Natália escondia o rosto e depois tentava ver só com um olho. Continuava com as mesmas atitudes dos tempos de menina e as irmãs adoravam provocá-la nessas horas.

O filme continuava muito emocionante e agora já estava na parte onde Edmond, depois de achar um tesouro sai em busca das pessoas que conhecia e acaba descobrindo que além de ter sido traído pelo seu melhor amigo Fernand este se casara com sua noiva a Condessa Mondego. Com isso ele passa a ser o Conde Monte Cristo e aí começa a sua vingança.

Maria Inês para relaxar os ânimos, deu pause no filme e falou em tom de brincadeira para as irmãs:
- Seu eu fosse O Conde de Monte Cristo estaria agora planejando uma vingança contra a sua querida noiva.
- Porque logo com a  noiva mana? Perguntou a Lúcia
- Lógico que ele está com raiva e se sente traído por ela também. Então eu no lugar dele estaria cheia de ódio e pensando que “se o amor dela morresse, eu arrancaria seu coração do peito e beberia seu sangue.” Respondeu com os olhos arregalados para meter medo à irmã.
- Cruzes!!! Você está muito trágica hoje e vamos parar com essa prosa e terminar logo de ver esse filme, finalizou Natália.

Voltaram a ver o filme e depois aproveitaram para curtirem o por-do-sol passeando pela praia. Seguiam as três irmãs  conversando, falando sobre suas vidas, seus maridos e filhos e das muitas dificuldades que enfrentavam. Gostariam muito de morarem perto uma da outra, mas infelizmente residiam em cidades diferentes.
 

Cada uma seguiu seu caminho construiu sua família vivendo suas vidas, mas mesmo assim sempre juntas, mas as relações de afeto continuaram sendo cultivadas, o carinho que as une é único, indestrutível e é só uma precisar da outra, que jamais existirá distância, qualquer que seja à hora do dia.

Pode haver pequenos momentos de desentendimentos, sejam por coisas bobas ou até familiares que venham a deixar mágoas passageiras, mas diante de um amor tão puro e fraterno um singelo gesto faz desaparecer como mágica esses pequenos detalhes.

Estarem juntas todos os anos era um momento muito bom e voltavam para suas casas cheias de saudades e com as energias renovadas.


RSantos                                                                                               

13a.Edição Roteiro
imagem do projeto
6a. Edição Gênero-Situação
Tema:"Se o amor dela morresse,
eu arrancaria seu coração do peito
e beberia seu sangue"


sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

" FÉRIAS EM PARIS"


Alberto ainda está trabalhando apesar de já ter encerrado o expediente. É Engenheiro de produção e gerencia a área de desenvolvimento corporativo da empresa. Precisa finalizar os últimos relatórios e deixar tudo anotado para que o colega que vai substituí-lo nas férias possa dar andamento aos projetos em execução.

O dia passou corrido que nem viu à hora passar e à noite estaria viajando com a esposa para passar as férias em Paris. Estava casado há seis meses e essa viagem é a lua de mel tão planejada pelo casal.
Toca o telefone e ao atender já escuta sua esposa dizendo:
- Você está ainda aí amor. Tentei primeiro o seu celular e está fora de área e logo deduzi que só podias ainda estar no escritório. Estou preocupada com a hora porque já são sete horas e temos que chegar no aeroporto até às nove horas.
- Sonia fique calma que daqui a meia hora estou em casa e vamos chegar a tempo para curtir a nossa viagem de núpcias. Um beijo meu amor que vai dar tudo certo. Disse pausadamente e desligou voltando a que estava fazendo.

Escreveu as últimas linhas que faltavam, salvou o arquivo e enquanto desligava o computador começou a sorrir pensando naqueles dias todos que passaria juntinho de sua esposa na “Cidade do Amor”.

Sonia era a mulher de sua vida e desde que se conheceram o amor que sentiam um pelo outro foi se solidificando. Desde que e casaram o tempo para ficarem juntos era pouco porque ela era médica pediatra tendo uma agenda em grande parte voltada para os seus pacientes.

Agora chegara o grande momento de poderem curtir um mês juntinhos passeando por paris, vivendo intensamente esse amor.
A capital francesa é conhecida como a cidade mais romântica do mundo e nada melhor para celebrar o amor e união dos casais apaixonados onde o que importa é unicamente ser feliz.

RSantos

12a. Edição Roteiro

                                                         6a. Edição Começo e Fim
tema: começar com a letra "A" e terminar com a letra "Z"
imagem do projeto

" O BLOÍNQUÊS NA MINHA VIDA"


Existem momentos em nossas vidas que apesar de estarmos cheios de gente ao nosso lado se forma um vazio inexplicável. A minha vida seguia seu ritmo, mas faltava algo que eu mesma não sabia aonde buscar as respostas que precisava. Estava numa transformação de vida interior, cheia de dúvidas e inseguranças do que estaria por vir e do muito que ainda queria fazer e achava que já era tarde demais.

No trabalho conheci uma pessoa linda e maravilhosa que me levou a esse mundo espantoso da Blogosfera. Hoje somos amigas inseparáveis e posso dizer que é a filha que eu não tive. Com seus ensinamentos montei o meu primeiro blog onde comecei a rascunhar algumas postagens sobre assuntos diversos. Começaram a surgir os seguidores com seus comentários e com isso fui seguindo por outros caminhos, conhecendo blogs com assuntos desde os mais simples aos mais polêmicos.

Foi num dos passeios que cheguei a um blog de projeto que estava se iniciando e fiquei namorando as suas primeiras edições sem participar. O projeto apresentava uma imagem para que descrevesse através de um texto. Participei a primeira vez e depois a segunda até que visitando um dos blogs vencedores verifiquei que na aba lateral havia um logo do “Projeto Bloínquês” e lá fui eu conhecer.

Fiquei apaixonada a primeira vista e em 16 de abril de 2010 participei das Edições Visual e Conto / História e dali em diante o Bloínquês passou a fazer parte da minha vida.

Queria escrever com liberdade expondo meus sentimentos, fazendo fluir a minha imaginação sem precisar dos meus "eus", marcas e registros. Foi com o Bloínquês que nasceu a Rene Santos, um nome artístico que já deu um pouco o que falar, mas que continua presente tendo todo o carinho do projeto e dessa equipe de moderadoras que de vez em quando dão uns puxões de orelha, pois sou rainha em postar em cima da hora ou até depois.

Repito o que disse na carta que escrevi ao BLoínquês pelo aniversário de um ano de que estou  há quase uma gestação participando de suas edições que entre erros e acertos, tristezas e felicidades me fizeram aprender muito. Aprendi principalmente a não saber viver sem contracenar neste mundo da criatividade, da imaginação, do amor, da paixão e da magia de escrever.

Fazer críticas ao projeto eu não tenho porque para que possa fazê-las eu teria que ter motivos e conhecimento para tal.  Como benfeitoria gostaria de dizer que como o projeto se iniciou através da comunidade no Orkut muitas participações ficam esquecidas nos comentários do Blog o que deveria ter mais atenção.

Fora isso só tenho a dizer que amo estar aqui como participante e que cada semana mesmo com pouco tempo corro para  dar a minha presença. É meu hobbie favorito.

RSantos

42a. Edição Opinativa
Tema:


imagem da NET

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

' LINDO ENTARDECER A LUZ DE VELAS"


Lindo entardecer a beira da praia iluminado pelo céu  em tons de azul e cor de rosa. Completando a paisagem vemos uma  cama tenda cercada por velas acesas que envolvem o ambiente de paz e tranquilidade.
Como seria bom estar nessa tenda me sentindo no meio do deserto em pleno relaxamento ouvindo o som das ondas do mar,sentindo a brisa acariciando o meu corpo , o cheiro da maresia.
Momentos que trazem boas energias, que nos fazem refletir em tudo que fizemos e naquilo que sonhamos. Momentos únicos que mostram a grandeza da mãe natureza e o quanto precisamos respirar esse ar que nos enche de forças e bons fluidos para seguirmos em frente a nossa caminhada pela vida.

RSantos

51a. Edição Visual


"NOSSO AMOR E NOSSAS ESCOLHAS"



Como descrever a sensação que senti quando estava no carro a caminho da residência do Vitor. Faltavam poucos minutos para rever aquele que foi o primeiro e grande amor da minha vida.

Quando recebi o convite para vir passar as minhas férias em sua casa no Texas confesso que fiquei um pouco confusa. Tivemos um relacionamento onde existia um sentimento muito forte entre nós, uma parceria de amor, paixão, amizade, interesses comuns. Estar com ele, sentir sua presença já fazia parte de minha vida, mas o inevitável aconteceu e ele foi morar no exterior. Lembro cada detalhe do nosso último encontro, onde comunicou que após o encerramento do ano e da formatura, estaria indo para os Estados Unidos fazer um curso de especialização.

Agora já se passara dois anos e nossas vidas seguiram tomaram rumos diferentes. Estava bem e tinha conseguido superar aquele sentimento de perda, de saudade e agora por mais que eu quisesse aquilo, eu não poderia me arriscar. Estava ansiosa em vê-lo e sabia que não resistiria aos seus carinhos, aos seus encantos, mas queria viver aquele momento sem pensar em mais nada.

Assim que o carro chegou à fazenda onde morava fiquei admirada com a linda paisagem, as árvores com um colorido de tons de verde e amarelo. Saltei do carro e bem na frente da casa lá estava ele me aguardando.

Caminhamos um em direção ao outro e nos abraçamos sem dizer uma só palavra. Vitor segurou minha cabeça com aquele jeitinho terno e beijou minha testa. Que mais precisava ser dito do que esses simples gestos de duas pessoas que ainda se amavam e tinham feito suas escolhas.

Seguimos abraçados em direção a casa e Vitor olhou para mim carinhosamente e disse:
- Raquel você continua linda e que bom que aceitou o meu convite. Vamos matar as saudades e recordar os bons tempos.

Estava feliz demais e queria aproveitar ao máximo cada momento ao seu lado.

RSantos

11a. Edição Roteiro
49a. Edição Conto História 
imagem do Projeto

domingo, 9 de janeiro de 2011

"UMA SIMPLES LEMBRANÇA DO PASSADO"


Eu estava em estado de choque pelos acontecimentos que ocorreram nestes últimos dias. Precisava organizar meus pensamentos, acalmar meu coração para encontrar um novo rumo na vida. Agora me sentia no fundo de um poço sem condições de tomar nenhuma decisão.

Foram tantas juras de amor, tantas promessas, tantos planos e depois de seis anos de noivado sem nenhuma explicação ele secamente me diz:
- Elisa não quero mais me casar com você. Recebi uma proposta para ocupar uma vaga na filial da empresa no Oriente Médio e isso me fez pensar bastante sobre a minha vida e principalmente sobre o nosso noivado. Mantivemos esse sentimento durante anos, mas aquela paixão, aquele amor ele foi esfriando dentro de mim e tenho certeza que se levasse adiante esse casamento estaria fazendo você uma pessoa muito infeliz.
Alberto falou friamente olhando para mim sem nem piscar os olhos e a cada frase que pronunciava via os meus sonhos desmoronarem um por um.

Juntos compramos um apartamento, um enxoval quase completo, montamos nosso lar, sonhamos com nosso casamento, nossa lua de mel, nossa vida a dois, com nossos filhos e agora isso tudo não existia mais. Como ele foi tão frio que ainda disse que precisava conversar comigo para acertar a venda do apartamento e todos os detalhes para que não ficasse nada pendente ante dele viajar.

Estava na casa dele e a minha cabeça estava muito confusa que preferi não questionar. Como ele estava sendo tão calculista, tão sem coração e se já não me amava porque continuou comigo? Achei melhor aceitar a sua explicação, mas dentro de mim havia dúvidas e tentar decifrá-las iria me deixar mais triste e o meu coração não agüentaria tanta dor.

Aquele amor ainda estava dentro de mim e precisava ocupar esse espaço, precisava esquecer isso tudo, era uma página virada na minha vida. Antes de começar a chorar peguei minha bolsa e sai correndo de seu apartamento. Os meus olhos estavam cheio de lágrimas que mal conseguia enxergar o que estava na minha frente. Comecei a caminhar pela estrada sem saber para onde ir porque precisava chorar para me sentir melhor.

Quando criança eu tinha a mania de engolir o choro e a mamãe pegava no meu rosto, me fazia olhar nos seus olhos e falava:
- Minha filha jamais desconsidere a maravilha das suas lágrimas. Ela tinha toda razão porque era um santo remédio para amansar o coração, para cicatrizar as feridas, para liberar nossos pensamentos e colocar as idéias no lugar.

Sabia que o tempo se encarregaria de curar as minhas mágoas, as minhas feridas e que outros sonhos viriam. E como minha mãe sempre me dizia: "a vida é como uma caixa de bombons: nunca se sabe o que vai encontrar."

A vida se encarregará de me mostrar outros caminhos que farão eu renascer com mais força, com mais experiência e esse noivado, mais tarde, não passaria de uma simples lembrança do passado.

RSantos

62a. Edição Filme e  62a. Edição Livro

OUAT
Imagem retirada da NET

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

"MINHA VIDA PRECISA MUDAR"


Eu cheguei do trabalho cansada. Resultado de horas extras e relatórios monstruosos... Mas agora eu me encontrava parada na frente da porta de minha casa. Senti aquele alívio de saber que já poderia tirar os sapatos. Então coloquei a pasta no chão e girei a maçaneta ao mesmo instante que fazia o mesmo com a chave.

Poder estar ali no aconchego do meu apartamento dava uma sensação de prazer, paz e liberdade. Finalmente estava de férias e teria um mês inteiro para descansar. Precisava relaxar e pensar muito em algumas decisões importantes a colocar em prática que iriam mudar o rumo da minha vida.

Estava acostumada a viver sozinha e dediquei tantos anos a vida profissional que me esqueci de viver a minha própria vida. Ainda era jovem e queria recuperar o tempo perdido, poder viajar, conhecer pessoas novas, me apaixonar por alguém e manter um relacionamento que viesse a dar certo. Poder compartilhar uma vida a dois, ser mãe, constituir uma família, me sentir verdadeiramente uma mulher completamente realizada.

O primeiro passo eu já havia tomado que foi conseguir tirar férias depois de quase cinco anos sem conseguir esse tão merecido descanso.

O próximo passo era aproveitar essas férias viajando pelo nordeste do país curtindo as praias, indo a festas e deixando a vida me levar.

Depois que retornasse das férias já estava determinada a pedir demissão do escritório e prestar os serviços advocatícios diretamente aos meus clientes. Pretendia agregar ampliar essa carteira o que garantiria a minha renda e me sobraria mais tempo para me dedicar a outras atividades que me trariam mais satisfação e qualidade de vida.

Começava o ano e minha vida precisava mudar e para isso acontecer eu já estava tomando as minhas decisões. Nascia um novo ano e renascia uma nova mulher.

RSantos





imagem do projeto BLQ

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

" Contra tempos de um final de semana"


Gustavo e Eliana estavam passando um final de semana num Sítio de amigos. Eles mantinham uma relação estável que já durava dois anos, mas Eliana, nos últimos meses, vinha perdendo a paciência com Gustavo com certas atitudes abusadas e sem educação.

Todos tinham chegado um dia antes à noite onde pouco se falaram e foram logo se deitar. Quando o dia amanheceu e Eliana abriu os olhos viu que estava sozinha na cama. Levantou-se e foi se arrumar para descer para o café da manhã.

Para sua surpresa reparou que o único que estava acordado era o seu digníssimo marido que já estava na varanda saboreando  uma tigela de cereais.  Gustavo quando a viu disse:

- Bom dia amor ! Acordou cedo também? Eu acordei porque estava era com fome e fui à cozinha e preparei esses cereais. Quer um pouco?
- Gustavo que vergonha você  acordar e ir direto catar o que comer na cozinha dos nossos  amigos.  Será que sua fome era tanta que não podia esperar servirem o café para todos? reclamou Eliana.
- Eliana não vejo nada demais no que fiz e acho que você anda exagerando tudo o que faço ultimamente. Você não respondeu nem ao meu bom dia e já veio reclamando.
- Desculpe amor realmente ando um pouco estressada com tudo, mas quero que você acabe logo de comer esses cereais para deixar tudo no lugar antes que o pessoal acorde.OK?

Gustavo deu aquele sorriso de travesso, abraçou a esposa e juntos arrumaram tudo.  Voltaram para o quarto  para curtirem  um momento a dois até que todos os convidados acordassem.

RSantos



1a. Edição Dialogue
tema: Dia esquisito


5a. Edição Especial
Imagem do BLQ

sábado, 1 de janeiro de 2011

" O Nascer de uma nova vida"



Chegou o verão e com ele o nascer de um novo ano, o nascer de uma nova vida que veio para brindar o nosso amor. O início da gravidez foi bem delicado, pois sentia dores resultantes de contrações que exigiu um repouso absoluto. Pela primeira vez em meses, não sentiu dor alguma; pela primeira vez em anos, obteve as respostas às suas perguntas.

Quantos anos tentamos ter filhos e não conseguíamos. Seções intermináveis com médicos e especialistas que nos passavam inúmeros exames e todos os resultados eram desanimadores. Estávamos desgastados e deixamos de viver em função disso, mas não desistimos e continuamos a nossa luta para ter um filho.

Agora tínhamos sido encaminhados a um especialista indicado por um casal amigo que passara pelo mesmo e hoje já estavam com dois filhos. Consultas atrás de consultas e depois todos aqueles exames novamente. Ficamos mais animados após os exames de fertilidade, pois já transcorria mais de 37 dias de ciclo sem nada aparecer o que era um bom sinal.

Estávamos nervosos e ansiosos na expectativa de saber o resultado do teste e quando vimos lá escrito “POSITIVO“ foi uma emoção e alegria que não dá para expressar a grandeza do que sentimos. Choramos de tanta felicidade que parecíamos duas crianças acabando de ganhar o presente dos seus sonhos.

Minha esposa estava grávida finalmente e isso graças a nossa persistência, graças a Deus porque nada na vida acontece por acaso. Você nunca sabe que resultados virão da sua ação. Mas se você não fizer nada, não existirão resultados.

RSantos

61a. Edição Filme


61a.  Edição Livro
Imagem retirada da NET